Ambiética – Assessoria, Consultoria e Licenciamento Ambiental em Novo Hamburgo - RS

Siga-nos:

(51) 3279-8161

Siga-nos:

(51) 3279-8161 / 3066-8160

listNotícias

Prefeitos brasileiros vão a encontro sobre desenvolvimento no Vaticano

Diversos prefeitos brasileiros, entre eles o de São Paulo, Fernando Haddad (PT), participavam nesta terça-feira (21) de uma audiência sobre o desenvolvimento sustentável das cidades no Vaticano. O tema sustentabilidade foi um dos pilares da encíclica [carta circular] do Papa divulgada no mês de junho.

Haddad falou sobre sustentabilidade e desenvolvimento humano por volta das 11h30 locais (6h30 de Brasília). Além dele, também foram ao Vaticano o presidente da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) Marcio Lacerda, de Belo Horizonte, e ACM Neto, de Salvador, entre outros.

Prefeitos de outras cidades do mundo também estavam presentes, como o de Nova York, Bill de Blasio.
Está previsto um encontro da delegação brasileira com o Papa Francisco, no qual eles entregarão uma carta ao pontífice.

“A escravidão ainda existe em nossas cidades, incluindo aqui em Roma”, disse o prefeito da capital italiana Ignazio Marino.

Ex-cirurgião, Marino denunciou o tráfico de órgãos, que ele garante que deve crescer, dada a demanda crescente. Cerca de 10.000 operações são realizadas a cada ano para extrair órgãos para o benefício de pacientes ricos em todo o mundo.

Estas operações ilegais são realizadas principalmente na China, Índia e Paquistão, assegurou.
Mas, advertiu, “a África é a nova fronteira” deste tráfico internacional. O prefeito de Roma também advertiu contra a tentação de legalizar esse tráfico, permitindo a doação de órgãos em troca de remuneração, como, segundo ele, estuda os Estados Unidos.

Testemunhas mexicanas – A conferência, organizada no Vaticano, também ouviu o testemunho de duas jovens mexicanas, Karla Jacinto e Ana Laura Perez Jaimes, ambas feitas “escravas” durante anos em seu país.

Karla foi forçada a se prostituir a partir dos 12 anos, presa em um bordel mexicano onde fez as contas de seus “clientes” até sua libertação aos 16 anos: mais de 42.000.

Ana Laura relatou, por sua vez, como viveu por cinco anos presa em celas e, por vezes, forçada a trabalhar 20 horas por dia, até que conseguiu escapar aos 23 anos.

“Não é possível que isso continue a existis, não é possível que nós permanecemos cegos” para lidar com esta situação, declarou.

“Temos que mudar nosso estilo de vida”, defendeu Anne Hidalgo, prefeita de Paris, pedindo a implementação de uma “economia de menor impacto”, privilegiando, por exemplo, a reciclagem.

Hidalgo agradeceu o convite do Papa, que permitiu comparar as experiências de dezenas de prefeitos em todo o mundo sobre temas chave.

Papa pede firmeza – Durante sua fala, o Papa Francisco exortou a Organização das Nações Unidas (ONU) a adotar uma “postura muito firme” contra a mudança climática na cúpula sobre o aquecimento global marcada para dezembro em Paris.

“Tenho grandes esperanças na cúpula de Paris”, declarou o Papa. “Tenho grandes esperanças de que um acordo fundamental seja alcançado. A Organização das Nações Unidas precisa adotar uma postura muito firme nisso.”

Francisco, que falou de improviso em espanhol no fim do primeiro dia do evento, declarou esperar que a reunião parisiense trate “particularmente de como ela (mudança climática) afeta o tráfico de pessoas”.

No mês passado, Francisco emitiu uma encíclica sobre a mudança climática, a primeira dedicada ao meio ambiente. A exortação para 1,2 bilhão de membros da Igreja pode levar os católicos de todo o mundo a fazer lobby com formuladores de políticas a respeito de temas ecológicos e da mudança climática.

Carta de prefeitos brasileiros – A carta que os prefeitos brasileiros vão entregar ao Papa diz que os governos locais – as Prefeituras – também devem colaborar para reverter a crise climática global e cita metas estabelecidas para desatrelar o desenvolvimento das cidades do aumento de emissões de gases de efeito estufa.

O texto menciona que as mudanças climáticas pioram a qualidade de vida, especialmente da população mais carente, e que, para superar a vulnerabilidade dos mais pobres, adota políticas públicas de inclusão social.

Os prefeitos ainda pedem que a Organização das Nações Unidas (ONU) reconheça a importância dos governos locais na sustentabilidade do mundo e desenvolvimento humano.

Fernando Haddad foi convidado para um seminário com 15 prefeitos de todo o mundo e o governador da Califórnia no Vaticano nos dias 21 e 22 deste mês. O convite foi assinado pelo monsenhor Marcelo Sanches Sorondo, responsável pelo sacro Colégio. 

Fonte: G1